Sobre beliscões, mordidas e outras coisas

Sobre beliscões, mordidas e outras coisas

Hoje posto por aqui um texto lindo escrito pela Deusa Samú; Psicóloga Clínica e Hospitalar, Psicoterapeuta especializada em situações de Luto e UTIs e autora de diversos livros. Um de seus livros, o “Trilogia do meu divã” chegou em minhas mãos como presente da minha mãe. E que presente! O conteúdo do livro nos cativou e por isso entrei em contato com a autora, que me deu o privilégio de reproduzir algumas mensagens  por aqui.

Começo então com um relato muito interessante que nos faz entender um pouco mais sobre algumas atitudes “ruins” de nossas crianças. É para refletir e aprender! Veja só:

Duas mães, um segredo e um monte de abraços (Dra. Deusa M Samú)

Eu estava preparando um projeto para uma escola e fui abordada por uma professora que reclamou de uma aluna (6 anos), que beliscava os colegas sem uma razão aparente. Ela relatou que já havia usado de todas as possíveis técnicas de aproximação e acolhimento, sem sucesso. Sugeri que a aluna viesse conversar comigo e o diálogo se deu assim:

Eu: Oi “A”, queria conversar um pouco com você. Eu sou psicóloga. Você sabe o que psicóloga faz?

Ela: Não (de braços cruzados e olhando para o chão. Isso é uma resistência esperada).

Eu: Eu estudo os sentimentos! Sabe, às vezes a gente sente um apertão no peito, uma vontade de chorar… Isso pode ser medo, tristeza, raiva…

Ela: (Me interrompendo e olhando diretamente). Eu tenho isso um monte de dia. Você tem?

Eu: Sim, muito! Todo mundo tem!

Ela: Todas as pessoas já grande e as minhas duas mães também?

Eu: Você tem duas mães? Nunca conheci uma pessoa com duas mães. Quer me contar isso?

Ela: (Falando baixo, quase sussurrando), Então foi assim: eu tava indo para meu quarto e ouvi minha mãe chorando e dizendo para minha tia que estava com medo, porque minha mãe de verdade apareceu e ia me tomar dela. Aí eu corri pro meu quarto e não contei para ninguém. Eu tenho uma mãe de mentira e uma de verdade (segura no meu braço).

Leitores, nesse ponto da conversa, não foi difícil entender que, não sabendo lidar com o segredo da adoção e não entendendo de forma clara o que estava ocorrendo, a criança represou a angústia e a extravasava beliscando os colegas, ou seja, cada vez que sentia a pressão interna e não sabia o que fazer, beliscava…

Eu decidi ganhar tempo para pensar como iria interferir (ou não!) nessa história e propus para “A” que não contaria para ninguém aquilo e que, cada vez que ela sentisse aquela coisa chata dentro dela, era para ir perto da professora e pedir-lhe um abraço. Em seguida, combinei também com a professora para representar o “porto seguro” de “A” por um tempo.

Passaram-se algumas semanas, a professora me relatou que, nos primeiros dias, eram abraços sucessivos que foram escasseando para uma média de 2 abraços semanais. Na verdade, o meu encontro com “A” abriu um espaço para que ela administrasse a sua angústia e o número de abraços, nos denunciava o quanto de segurança esse aporte gerou dentro dela.

O segundo passo foi orientar a professora para conversar com a mãe. Afinal, eu na situação de consultoria para a escola, não poderia envolver-me num nível mais profundo.

É assim que a família se estrutura como uma rede, na qual os fios estão interligados muito além do concreto e do palpável.

E você leitor, quantas mães tem?

 

deusa_samu
Mais sobre a autora: Deusa Samú é Psicóloga Clínica e Hospitalar; possui Licenciatura em Antropologia, Filosofia e Sociologia; Pós Graduada em Tanatologia pela USP (educação para a morte), cursou a disciplina de pós-graduação “Experiências Anômalas: Psicologia Anomalística e Processos Psicossociais Básicos/USP, Psicoterapeuta especializada em situações de Luto e UTIs, Diplomada membro da AMLAC (Academia Metropolitana de Letras, Artes e Ciências), Membro da SBPH (Sociedade Brasileira de Psicologia Hospitalar), Sócia Fundadora da Sociedade Brasileira de Tanatologia/USP, Conselheira da Área de Infância e Juventude e Expositora da Área de Ensino da Instituição Seara Bendita/SP, associada a AME/SP (Associação Médico Espírita), Autora de diversos livros e Articulista do Jornal Fala MEU (USE/SP). Site: www.deusasamu.com



1 comentário

Add yours

Post a new comment