Mãe solteria – mãe solo

Não existe mãe solteira. Mãe não é estado civil

Mãe solteira… MÃE SOLTEIRA… MÃE solteira… mãe SOLTEIRA… mãe sol-tei-ra!

De qualquer jeito que você pronuncie ou por mais que a sociedade negue, o termo ‘mãe solteira’ carrega consigo um quê de ‘tem algo faltando’, ‘um defeito’, um traço negativo, uma ruguinha que fica ali incomodando…

Em maio de 2014, Papa Francisco, em um de seus discursos inesquecíveis, disse o seguinte: “Não existe mãe solteira. Mãe não é estado civil”. Ditas assim, essas frases parecem não ter tanto valor, mas são de uma profundidade impressionante se pararmos para pensar no preconceito que as mulheres solteiras sofrem quando geram seus filhos.

No último Dia das Mães, um movimento viralizou nas redes sociais (Facebook e Twitter) e as discussões em torno da etimologia do termo mãe solteira voltaram com força total. O termo “mãe solo” se popularizou e debates fervorosos acerca da discriminação voltaram à tona.

O que percebo é uma grande confusão institucionalizada por nós, seres humanos, e aí me incluo nisso. Misturamos mãe com o fato de as pessoas serem casadas ou solteiras, como se isso assegurasse a presença de pais e mães na relação familiar. Como se as pessoas casadas já trouxessem na bagagem o selo de qualidade que as solteiras não têm e, talvez, nunca terão.

Aliás, já ouvimos dizer com tanta intensidade o termo “pai solteiro”? Quantas vezes alguém ouviu outra pessoa dizer: ”Ah, aquele ali é pai solteiro!”. Nunca ouvi…

Para completar, agora em abril uma notícia veiculada em vários veículos de comunicação chocou de novo o país. Uma mulher demitiu sua empregada ao descobrir que ela era mãe solteira, mesmo admitindo que a ajudante fazia todo o serviço. “Você é muito caprichosa, mas não quero uma mãe solteira em casa, pois meus filhos podem aprender algo de errado. Não posso ter esse tipo de gente aqui”, disse via Whatsapp.

O que deixa nós, mães solteiras ou solo felizes, são pequenas mas importantes iniciativas como a da ilustradora paulista Thaiz Leão, fundadora do Mãe Solo, um espaço nas redes sociais onde ela posta divertidas tirinhas referentes ao batente das mães solteiras ao cuidar de sua prole, sem romancear a maternidade. Thaiz é mãe de Vicente e retrata os “apertos” de toda mãe solteira em seus desenhos.

mae solo
Imagem via Thaiz Leão – Mãe Solo

Outra mãe solo que a gente adora, é a  Helen Ramos, do Hel Mother. Ela tem um canal incrível no Youtube e, com muito bom humor e autenticidade, mata a gente de rir! Somos fãs!

Iniciativas como essas são ainda pingos no oceano, mas é hora de argumentar, de trocar boas e más experiências… é hora de vários pingos fazerem chuva, né não? E a gente pode!

Olha a Chuva

 



There are no comments

Add yours