atitude_empreendedora

Na Real: Atitude Empreendedora

Quando o verbo empreender vem a nossa cabeça, logo vem também a palavra negócio. Certo? Ser dona do próprio negócio, investir, fazer aquilo que gostamos, ter mais liberdade, trabalhar duro, etc. Mas eu queria trazer aqui um outro olhar sobre o empreender, sob o ponto de vista da nossa vida pessoal, onde a palavra atitude é o que faz a diferença.

Nesse sentido, ter uma atitude empreendedora é conseguir gerar um movimento que traga resultado positivo para nós mesmas, um movimento livre, espontâneo, mas que só é possível quando temos impulso de (para a) vida, uma postura ativa, com energia e com vontade de realizar. Em qualquer âmbito. Pensei nisso esses dias enquanto amamentava. Existe um certo empreender no ato de amamentar. Precisamos ter vontade, ter energia, voltar para casa a cada 3 horas, ter uma pessoa completamente dependente de nós para se alimentar e colher o resultado disso, vendo os filhos crescerem saudáveis. Um exemplo simples, mas que foi levando meu pensamento a várias outras atitudes empreendedoras que tenho ou que gostaria de ter.

A maternidade pode ser um bom motivo para refletirmos o quanto, para determinados aspectos, conseguimos colocar muita energia, ir atrás, se mexer mesmo. A ideia que eu tenho é que uma mãe, quando coloca uma coisa na cabeça com relação a seus filhos, não se cansa até conseguir o que quer. Vai pesquisando, conversando, fazendo. Tira forças sei lá da onde. Mas consegue. Seja lá o que for.

Faz dois anos que comecei a estudar Biopsicologia – metodologia que propõe o autocontrole das emoções negativas e seus reflexos na saúde e na vida. Reúne um conjunto de técnicas que visam a harmonização psíquica, física e energética, gerando saúde integral. – Isso exigiu de mim (e ainda exige!), além do estudo em si, uma mudança bastante significativa de estilo de vida, no que diz respeito a rotinas, alimentação, prática de yoga, meditação, entre outras coisas. Mas vamos pegar o exemplo da meditação. Quero meditar todos os dias, no mínimo 10 minutos. Quando consigo engrenar e estabelecer essa rotina, tenho mais clareza com relação a mim mesma, com relação as minhas relações, vejo e sinto o resultado. Meditar me traz consciência. Meditar todos os dias é uma atitude empreendedora, saio da minha zona de conforto, encontro um lugar silencioso em casa, meu corpo dói, minha mente tá agitada e muitas vezes os 10 minutos são horas. Às vezes minha filha acorda bem na hora, outras, meu marido chega em casa e faz barulho. Agradeço e penso “hoje não deu, mas amanhã, tento de novo. Isso tudo porque eu tenho plena convicção de que meditar todos os dias muda a minha vida, tenho plena convicção de que me faz bem e que posso atingir o resultado que espero. Isso vale para tudo.

Ter impulso de vida é empreender nas pequenas coisas que gostamos, é acreditar e buscar aquilo que nos move. É confiar no processo, é acreditar no resultado. Ficar sentada esperando que as coisas aconteçam, que as condições estejam favoráveis, se afundando num mar de desculpas vai nos levar a nenhum lugar. Vamos ser micro empreendedoras das pequenas coisas que almejamos. Vamos acreditar naquilo que nos faz dar um salto da cadeira, olhar para si mesma e dizer “é isso!” Seja “isso” qualquer coisa apaixonante. Talvez assim, exercitando esse olhar positivo para a vida, vamos nos acostumando com as coisas darem certo, vamos nos acostumando a “tirar a bunda da cadeira” e ir atrás do que queremos. Quem sabe até, abrir um negócio?

p


NA REAL
NA REAL é  um espaço de compartilhamento de informações sobre empreendedorismo e negócios com o objetivo de ajudar as mães que estão a fim de empreender e conciliar trabalho e maternidade da maneira mais harmônica possível. Por isso Real Maternidade e a Bora Design de Negócios se uniram neste projeto. Serão dicas, textos, questionamentos, ideias, bate papos, cursos, enfim, tudo o que pudermos fazer para contribuir com o equilíbrio mãe-carreira. Esperamos que você goste das novidades! Ah, e se tiver alguma dúvida ou sugestão de assuntos para tratarmos nos próximos posts, deixe um comentário, ok? Beijos e conte com a gente, Roberta e Luciana.

 



1 comentário

Add yours
  1. Valdeney

    Eu quero faser amizade com mãe e filha, mãe e filha branca. Mãe entre, 36 a 55 anos de idade. a filha entre, 25 a 39 anos. A filha entre 1.83 a 1.87 cm de altura, procurem air e fale comigo


Post a new comment