mães que trabalham fora se tornam adultos felizes

Xô Culpa! Pesquisa mostra que filhos de mães que trabalham fora se tornam adultos felizes

Um estudo realizado por pesquisadores da Harvard Business School mostrou que as filhas de mães que trabalham fora geralmente apresentam um desempenho melhor em suas carreiras do que as filhas de mães que ficam em casa. O estudo ainda traz mais uma boa notícia: os filhos das mães que trabalham fora acabam tão felizes na vida adulta quanto os filhos de mães que ficaram em casa.

A professora Kathleen McGinn, da Harvard Business School, espera que essas descobertas tragam um grande alívio para as mães que precisam trabalhar fora para sobreviver ou simplesmente por escolherem essa opção.

“As pessoas ainda acreditam que quando as mães estão empregadas, isso é prejudicial para os filhos”, diz McGinn, professora de Administração de Empresas da Cahners-Rabb, que liderou a pesquisa. “Portanto, descobrir que o emprego da mãe não afeta a felicidade das crianças na vida adulta é realmente importante”.

Não se trata de criar crianças mais felizes, ela continua. “Quando as mulheres escolhem trabalhar, elas o fazem por uma escolha pessoal ou financeira. As mulheres devem fazer essa escolha pensando no seu desejo ou necessidade de trabalhar, e não pensando se estão prejudicando seus filhos – porque não estão ”.

A pesquisa descobriu que filhas adultas cujas mães trabalhavam fora de casa são mais propensas a trabalharem sozinhas, têm mais responsabilidades de supervisão e ganham salários mais altos do que as mulheres cujas mães ficaram em casa o tempo inteiro. Este fato foi divulgado em um artigo do New York Times e sofreu algumas críticas.

“Alguns perguntaram se os filhos de mães que ficam em casa eram mais felizes”, diz McGinn. “Muitos criticaram a pesquisa como uma ‘guerra de mães’, ou seja, um afronto entre as mães que trabalham e as que optam por ficar em casa. Mas o retorno mais comum em relação à pesquisa foi de mães que sofrem culpa, insegurança e desaprovação dos outros por trabalharem fora. Para elas, esse resultado é uma ótima notícia. ”

Após a divulgação dos resultados, a pesquisadora se uniu a Mayra Ruiz Castro, da Kingston University, no Reino Unido, e Elizabeth Long Lingo, do Worcester Polytechnic Institute, para um outro estudo que reuniu dados internacionais com o objetivo de garantir que as conclusões  pudessem ser disseminadas ao longo do tempo para outras partes do mundo.

No total, os dois levantamentos de mais de 100.000 homens e mulheres em 29 países revelaram como o emprego das mães afeta seus filhos adultos, tanto em termos de emprego próprio quanto em relação ao tempo que passam em casa cuidando das crianças e fazendo tarefas domésticas.  Outro fator positivo é que mães empregadas moldam atitudes de gênero em seus filhos e dão a eles modelos para seguir. Quando eles crescem, geralmente seguem os passos de suas progenitoras.

A pesquisa aponta outras descobertas interessantes:

> Filhos e filhas de mães empregadas têm uma educação significativamente maior do que filhos de mães que não estão empregadas;

> As taxas de emprego de filhas adultas são afetadas pelo emprego de suas mães, mesmo que elas tenham empregos de alta ou baixa qualificação. Apenas as mulheres cujas mães trabalham em empregos de médio ou alto cargo são mais propensas a posições de supervisão;

> A influência do emprego das mães nas carreiras das filhas é menos importante quando as meninas vêem muitas outras mulheres com empregos, porque essas mulheres podem agir também como modelos. Para os filhos, no entanto, o emprego de suas próprias mães e de outras mulheres são complementos; cada um reforça o outro.

A pesquisadora McGinn espera que, com a divulgação deste estudo, as mães que trabalham fora possam se sentir menos culpadas e mais tranquilas e que possam pensar em longo prazo também.

Em um painel de discussão, quando solicitadas a darem um conselho para as mães que trabalham, as executivas da Caterpillar Inc., com seus filhos já crescidos, foram categóricas: “Apenas relaxe. Estamos todos ótimos”.

Veja estudo na íntegra: https://hbswk.hbs.edu/item/kids-of-working-moms-grow-into-happy-adults


> Te convido a conhecer a iniciativa Maternidade nas Empresas, criada por mim e pela Susana Zaman. Escolhemos ajudar as empresas a avançarem no tema “equidade de gênero”, trabalhando com um dos principais fatores que impedem a evolução profissional das mulheres: a maternidade. Oferecemos palestras, workshops, programas e conteúdo em relação ao tema. Dá uma passadinha em nosso Site, Face ou Insta para saber mais! Ou entre em contato por aqui!
Beijos, Luciana 😉

 



There are no comments

Add yours